sábado, 3 de janeiro de 2009

O novo do Ano Novo...

- Me lembro dos bailes das passagens do Ano Novo em Belém. Aqueles salões enormes dos clubes enfeitados com colunas e arcos de balões de todas as cores... Me lembro das marchinhas antigas dos bailes que tocavam especialmente para a ocasião. Lembro até das Patotinhas... Saí do Brasil com 17 anos sem nunca ter ido a um bailes desses . Meus pais nunca deixaram, por que eu era menor de idade... Sempre assistí a passagem do ano pela tevê, comendo "oliebollen" que meu pai fazia e pensava como seria legal se vestir de branco e estar em alguma praia do Nordeste ou do Rio para comemorar com amigos e assistir os fogos de artifícios profissionais...

- Boa parte das minhas passagens de Ano Novo na Holanda foram tristes, depressivas. Sentia como se não tivesse alcançado nada no ano que tinha passado e as perspectivas do ano novo também não eram boas... Aprender & melhorar a (%^#$!) do meu Holandês, repetir anos letivos na escola do qual eu já tinha o nível, trabalhar pesado em limpeza, como garçonete e até mesmo na colheita de verdura nunca estiveram nos meus planos... Passei algumas passagens de ano no choro. Nunca fui de chorar em passagem de ano e nunca entendí quem chorava, mas a minha vez tinha chego e hoje em dia eu entendo... Era puramente insatisfação e o peso nas costas que continuavam. Depois de dar um pé na bunda de um ex-namorado ruim (quem não teve?) e uns gritos num bosque perto do nosso antigo apto, eu comecei a ver as coisas melhorarem aos poucos.

- Levou anos e anos, quase uma década, sem exagero, mas o choro passou, o espírito acalmou e todos os meus esforços começaram a ser recompensados. A passagem do Milênio, então, foi algo do outro mundo. Estávamos em Lisboa onde eu estava fazendo um estágio e foi quando eu (re-)encontrei Betinha. Fomos ao baile na churrascaria Porcão. Foi meu primeiro baile de Ano Novo com direito à tudo o que é bom nessa vida: comida boa (Picanha, Sushi e camarão!), caipirinha, boa companhia (Betinha e família) e meu Amor(e). Dançamos à noite toda e nos divertimos muito! Faltou a minha família, mas sempre falta algo, não é mesmo? Aquela passagem de ano não marcou só o fim e o começo de um novo Milênio, foi muito mais do que isso... Foram "ups & downs", mas no final das contas, foram mais subidas do que decidas...



- E com o passar dos últimos anos, entre sair ou ficar em casa, eu prefiro ficar em casa... Na verdade, eu acho os Anos Novos na Holanda muito chatos. O costume dos Holandeses é queimar, literalmente, 55 milhões de euro em fogos de artifícios (depois reclamam da crise?!?!). Semanas antes do Ano Novo já tem pentelhos e aborrecentes jogando bombinhas nas ruas, nas caixas dos correios, nos lixeiros, em garrafas de vidro que colocam no meio da rua e que estouram deixando cacos pra todos os lados podendo causar acidentes... Para eles isso é diversão, para mim isso é vandalismo. Eu odeio, odeio fogos de artifícios dessa maneira! Só gosto quando é organizado profissionalmente.

- Era meu costume fazer uma análise do ano que passou e estipular meus planos e objetivos para o Ano Novo. Até colocava no meu blog. Mas, dessa vez, não será assim.
Todo mundo sabe que estou esperando meu primeiro filho para 2009 e vou fazer aquilo que todo mundo diz quando se tem filho: "Tudo muda e não dá para se planejar"... E, é isso aí. Em 2009 eu vou dançar de acordo como a música tocar, não vou planejar. Eu só espero ter saúde e fôlego até o baile acabar...

Um bom Ano para todos!

3 comentários:

Marcia-Rotterdam disse...

Feliz Ano Novo, e faz bem em não fazer grandes planos, pois com a chegada do seu meninão tudo muda sim!
Eu também não gosto de virar o ano aqui, espero que este ano seja a última vez por um bom tempo, odeio esses fogos que são perigosos e só causam sujeira e acidentes.
E parabéns Leticia, eu como só sei de sua vida pelo blog não tinha como saber da boa notícia, só suspeitava pelos comentários aqui, rs.

Marcita disse...

Você me ligou!!!! Só ouvi ontem à noite o recado e sempre acho graça como você fica meio sem saber o que dizer!!!

O teu marido era RUIVO? O que aconteceu que hoje ele é loiro?

Beijos e preciso falar contigo!!!

Holandesa disse...

Marcita,

Simples! Ele envelheceu! Acho que causei muitos cabelos brancos nele! haha!