terça-feira, 29 de julho de 2014

E o barco tá afundando... Salve-se quem puder!

Na noite de domingo pra segunda eu não dormi bem. Acordei de madrugada e passei horas (re)moendo idéias sobre o meu futuro na empresa. Cheguei a conclusão de que ficar parada que nem poste também não é solução, ainda mais depois das conversas que eu tive na semana passada.

Amanhã eu, mais o representante do RH e mais uma 'colega' de outro departamento teremos uma conversa informal com a colega de Camarões para oferecer ela um pacote de saída voluntária. Pequeno detalhe: ela (a de Camarões) é minha amiga e antigamente nós éramos do mesmo nível, mas eu acabei virando a chefe dela com o tempo.

A situação é super-desagradável. Mas, ela não será a única. Ainda tem 2 outros do meu time que eles querem mandar embora, mas desses eles ainda não tem tanta certeza, mas pode ser puramente uma questão de tempo.

No momento, quem não está sendo mandado embora, está saindo por si mesmo. Ou então, os que ficam, são aqueles que deveriam estar saindo, mas não estão...

Quando eu levantei na segunda eu tinha tomado a minha decisão e decidir entrar em ação. Ontem mesmo eu comecei a olhar por outras oportunidades e acessar alguns colegas do meu network. E eu já comecei a receber respostas dos primeiros contatos.

Eu tenho tempo. Agora vamos ver no que vai dar.

Cenas para os próximos capítulos!

sábado, 26 de julho de 2014

Respeito MH17 "voltando pra casa"

Ontem o marido queria assistir o cortejo de 75 vítimas do MH17 que passa pela rodovia perto da nossa tribo.  Fomos os 4. Difícil é explicar o que aconteceu para o nosso filho, S., que agora que tem 5 anos já está entendendo o que é morte. Fiquei com receio de explicar o que aconteceu com o avião e que todos os passageiros morreram. Marido começou explicando o que aconteceu e viu o meu receio e medo do quanto o acontecido assustaria filhote.
Meu filho, rei da curiosidade,  logo disparou 1000 perguntas. Entre elas, por que todos aqueles militares? Por que toda aquela cerimônia? Por que as pessoas estão batendo palmas se as pessoas morreram? Por que estamos do lado da rodovia assistindo os carros passarem? O que significa 'mostrar respeito' pelas vítimas?  E se ele podia ver o tal avião?... Como é difícil explicar!

Minha filha, ainda bem, não entende ainda o que aconteceu, mas copiava o comportamento dos outros e como o seu pano branco* na mão, mas parecia estar pedindo paz do que consolo.

Marido que sempre foi um holandês 'nuchter' (pé no chão) e movido por lógica, ficou emocionado e começou a bater palmas em sua maneira de mostrar respeito. Eu, como sempre, chorei.
Apesar da tristeza, a maneira de como os Holandeses trataram a situação com dignidade e respeito deu orgulho e foi ao mesmo tempo, bonito.

Hoje ainda haverá o último cortejo das vítimas. O último até que acharam as outras que ainda não foram recolhidas do lugar da tragédia. Espero, do fundo do meu coração, que todas sejam encontradas e   resgatadas para 'voltarem pra casa'...



quinta-feira, 24 de julho de 2014

Um país em silêncio...

Ontem foi dia de luto na Holanda devido ao mortos do 'acidente' do avião MH-17.
Em meus 22 anos de Holanda eu confesso que nunca vim nada igual. Nem as tragédias como o da Enschede (fábrica de fogos de artifícios que explodiu e acabou com um bairro inteiro da cidade), nem o incêndio no ano novo em Volendam fez o povo reagir da maneira como reagiu ontem.

A cerimônia e finalmente o respeito perante as vítimas e familiares foi impressionante e muito comovente. Ontem foram 40 vítimas, hoje voltaram 74 - quase o dobro.
Muitos tem o sentimento que seus queridos estão voltando pra casa, por mais que a maioria das vítimas fossem Holandesas (194 dos 298), outros ainda tem um longo caminho para voltar pra casa.

O cortejo passou pela rodovia principal da Holanda e pela qual eu passo os dias no meu trajeto casa-trabalho- casa. Ontem eu desviei da rota por uma parte para evitar os bloqueios na rodovia para o cortejo passar. Mesmo assim, na última parte para chegar em casa, na altura de Den Bosch eu tenho que pegar a tal rodovia e atravessar a ponte sobre o rio. São mais ou menos 10 minutos de direção e foram os 10 minutos mais comoventes para mim. A quantidade de pessoas nos viadutos ou do lado da pista com faixa e bandeiras eram de arrepiar e enfraquecer até o mais forte. Numa das faixas estava escrito "You will never walk alone" (Você nunca irá caminhar sozinho) e aquela foi a última gota para fazer eu chorar até eu chegar em casa.


O silêncio e o respeito que o povo Holandês mostrou foi muito triste e comovente, mas ao mesmo tempo e como sempre tão contraditório, tão bonito. Tanta solidaridade eu ainda não tinha visto aqui.

De resto, só me resta dizer que, pelo menos, eu tenho plena confiança que os Holandeses vão fazer tudo ao seu alcance para identificar as vítimas e entregá-los de volta aos seus familiares e que elas serão tratadas com respeito e dignidade, algo que não houve desde a hora que o míssel foi disparado...

#luto&respeito

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Voltei....

Nossa, mais de um ano que eu não escrevo.

Já nem sabia mais como fazer um update to template do blog, por ai vcs tiram!

Mas, eu voltei. Voltei pra ficar. Ou seria pra continuar?...

Minha vida nesses 2 últimos anos foi um 'fast-forward' em experiências e aprendizado. E na verdade, continua sendo.

Vou fazer um resumos dos grandes acontecimentos desde o último ano.

- Em 2013 eu viajei 4x EUA. Todas as vezes para Florida. 3x à trabalho e 1x de férias com a família.
EUA continua sendo meu país favorito para viagens! Vou falar mais disso nos próximos posts já que ano que vem estamos planejando voltar à Florida para férias novamente.

- Nesses 2 últimos anos trabalhei muito. Por mais que meu contrato seja de 36hrs e eu trabalho só meio-dia de casa nas sextas, eu fiz muito mais horas de trabalho semanais e com muitas viagens à trabalho - na média eram 3 semanas de trabalho em que eu ía de segunda à quinta para França e uma semana no escritório. Sextas e os fins de semanas eu estava em casa assumindo a responsabilidade do meu papel de mãe, esposa e filha. Quando eu tinha tempo, a única coisa que eu queria saber fazer era descansar.

- Já no final do ano passado o famoso projeto responsável por todas as minhas viagens começou a ficar instável. Em março desse ano, o projeto foi parado e com ele $40 milhões foram por água abaixo. Uma tristeza depois de tanto esforço. Nos dias seguintes a parada do projeto o trabalho constava somente em mandar gente embora. Dos 89 integrantes do projets, todos os externos foram mandados embora no dia seguinte. O resto, que eram pessoas internas da empresa acabaram pedindo demissão elas mesmas. Entre eles, Darth Vader, o meu gerente direto. CIO Australiano ainda continua por aqui, mas não será por muito tempo como tudo indica... Na verdade, do time inteiro só tem 3 sobreviventes. 2 Analistas e ... eu! E eis a pergunta de todo esse tempo. Por que eu continuo aqui já que o barco tá afundando?.. 2 motivos. Tem um projeto que se for efetivamente lançado, que será uma boa opção para mim em termos de carreira e o gerente dessa área é muito bom. Talvez o único que presta. Pequeno detalhe, ele também vem da Austrália, só que da região da Tasmânia. Apelido: Diabo da Tasmânia! ;-)

E o outro motivo é pelo lado pessoal. Eu tô comprando tempo ficando na empresa já que as coisas agora estão calmas e sem correrias. Preciso disso para conseguir ajudar a resolver uma outra questão. A questão da minha mãe. Na mesma semana em que o projeto foi parado em março, no dia do niver da minha irmã Kika, nossa mãe teve um derrame cerebral. Ela sobreviveu, graças a minha irmã mais velha que reconheceu todos os sinais e levou-a pra hospital. Tudo foi muito rápido, inclusive o atendimento no hospital, mas minha mãe ficou paralizada todo o lado esquerdo do corpo, até mesmo no rosto. Ela passou uns 10 dias no hospital e foi depois transferida para um centro de rehabilitação onde ela tem fisioterapia para recuperar o que pode e tratamento de ergoterapia para aprender a fazer as coisas com as limitações do que não tem mais recuperação.

Dia 20 de julho fez exatamente 4 meses desde o ocorrido. Atualmente ela anda com o apoio de um andador (rollator ) e tem uma cadeira de rodas quando precisa. A mão esquerda, infelizmente, não deverá se recuperar. Ela consegue mexer um pouco 3 dedos, mas é isso. O rosto já está recuperado e graças à Deus, a memória e a fala não foram afetados.

De acordo com os médicos, a melhor parte da recuperação são os 3 primeiros meses, depois disso há recuperação mas é cada vez mais lenta e menor a recuperação.
Moral da história: ao que tudo indica ela já chegou a um certo limite de recuperação e já querem mandar ela pra casa no mês que vem. E isso está dando muita dor de cabeça e preocupação para nós.

Na casa dela tem 2 lances de escada. O quarto e o banheiro de banho ficam no primeiro andar. Escada é um lance perigoso na situação dela. Ela consegue subir e descer com ajuda. Ela não pode fazer sozinha. Botar uma cadeira-elevador também está difícil e caro e com as expectativas de como será a vida da minha mãe daqui pra frente, uma cadeira dessa seria um investimento de curto prazo. Na verdade, o melhor seria a minha mãe mudar de casa. Claro que ela é teimosa e quer voltar pra casa, mas também não é realista, por que acha que terá uma pessoa (um escravo) do lado dela 24hrs e que ela não vai precisar fazer nada. Isso sem falar que o derrame só fez aumentar mais a depressão que ela estava sofrendo. Essa parte é talvez a mais degastante de todas. Sem falar que volta em meia ela faz sabotagem com o próprio tratamento.

A gente espera arranjar uma solução em breve e as coisas se acertarem. Infelizmente não deveremos conseguir um lugar apropriado (tipo apartamento para idosos) em breve pois tem lista de espera. Ela deverá voltar pra casa e receberá assistência pessoal algumas vezes por dia (pelo menos de manhã e de noite - ajudar a subir e descer escadas e ajudar no banho). Verdade é que com a depressão e de que tudo agora ficou difícil pra ela, é capaz de ela se sentar numa cadeira na frente da tv e ficar lá o dia todo, indo no máximo pra banheiro (terreo) quando precisar. E ai sim que a depressão irá fazer a festa! Por outro lado, há a expectativa que talvez ela voltando pra casa ela aceite melhor que ela tem que mudar de casa para algo mais prático pra ela. Afinal de contas, ela tem 77 anos.

E enquanto isso não se acertar, já que sou eu e as minhas irmãs cuidando dela e resolvendo a situação administrativa, eu não tenho cabeça pra procurar outro emprego ou fazer entrevistas...

Por enquanto, eu estou sendo paga e faço minhas horas diárias de acordo com o contrato e de quebra, ainda trabalho um ou outro dia de casa. Só assim pra balancear o lado pessoal, senão eu acho que enlouqueceria...!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

E o pulso ainda pulsa... Mas, haja paciência!

Esse meu cantinho anda abandonado, heim?

Nesses últimos meses aconteceram muitas coisas. Muita correria, demais além da conta! Mas, pelo menos com reconhecimento. 
Vamos a um resumo dos acontecimentos.

Fui mandada em questão de 2 dias para a matrix na Flórida para tentar resolver um sério problema. Para resolver o problema teremos que arranjar uns milhões caídos do céu. Não tenho como fazer milagre, mas dentro da minha área e de responsabilidade, alcancei grande sucesso com o time. Porém o problema financeiro ainda não foi resolvido.

Na volta, tive a minha avaliação de desempenho anual. Recebi a nota mais alta de todo o departamento e fui promovida. Financeiramente, infelizmente não mudou muita coisa. Ou seja, mesmo com a promoção eu não consegui recompensar a perda financeira devido a nova lei do governo... Paciência!

Ando trabalhando muito com o CIO, o Australiano. Estou aprendendo milhões de coisa. As vezes é barra pesada. Tenho aprendido a escutar mais do que falar. Entender as agendas escondidas. Eu erro e acerto todos os dias, mas na balanças os acertos estão pesando mais.
Darth Vader continua o mesmo, mas confia 120% em mim hoje em dia. Achei a maneira de me comunicar com ele e tem funcionado, mas volta e meia, ele suga toda a energia da equipe. Há de ter muita paciência.

Em casa vai tudo bem. Filhos estão numa fase muito legal. Filhota rí e apronta muito. Quer copiar tudo do irmão mais velho. Filhote, desde que vai pra escola, anda se desenvolvendo tão rápido que ficamos abobados. 
A cada dia que passa eu babo e lambo cada vez as minhas crias com todo o orgulho! Não há coisa melhor!

Com marido também vai bem. A novela dele de trabalho continua. Verdade é que ano que vem a empresa passará parte das operações financeiras para um grupo na Polônia, o que indica reorganização de novo na empresa. Marido quer ver se segura as pontas até lá para sair com o pacote da empresa. 
Sinceramente, eu não sei como ele atura essa barra!... Paciência, né?!

E a amanhã é o último dia da Rainha por uns 30 anos! A partir do ano que vem será o dia do Rei e a nova Rainha será Argentina. Estou curioso para ver as mudanças que isso trará!...

Enfim, inté sabe lá quando!

Fui!




terça-feira, 12 de março de 2013

Oi!

Faz tempo, heim?!

Depois de muita coisa bizarra acontecendo no trabalho e de termos alcançado o prazo importante para continuação do projeto, as minhas esperanças era que as viagens diminuíssem, assim como os 'pepinos'.
Tinha planejado 2 à 3 semanas sem viajar e o CIO da empresa (chefe do Darth Vader), o tal Australiano que é inteligente pra caramba, me manda por 2 dias pra Luxemburg- Luxemburg e agora para resolver uma 'escalação' (mega-pepino que já foi parar na mesa do presidente da empresa) me manda pra Flórida em menos de 2 dias de pré-aviso. Terei uns dias pesados na empresa, por que estarei na cova do leão e terei que ter muito sangue de barata para fazer tudo direito.

Pelo menos poderei passar o finde na praia ou ir no iPic Entertainment-cinema 

E quando eu estou aqui e sem viajar, estou aprendendo a vir mais cedo pra casa ou tirar dias de folgas para compensar a loucura do trabalho.

Não há dúvida que eu amo o meu trabalho, mas a cada dia que passa eu me conscientizo mais que preciso colocar um prazo nessa correria...

Mais um pouco e eu terei férias! Amém!


domingo, 3 de fevereiro de 2013

O acontecimento da semana na Holanda

Ok, tirando o fato de que filhote foi pela primeira vez pra escola, essa semana (passada) também teve outro acontecimento marcante (e inesperado) na Holanda.
A Rainha Beatrix (75 anos) abdicou o trono à favor de seu filho mais velho Willem-Alexander.

Já há anos a mídia especulava quando ela passaria o trono ao seu filho. E agora, numa plena segunda-feira fria de inverno ela faz o comunicado na rede nacional.
O discurso dela foi muito bonito. Foi 'professional' (to the point), mas sincero e também teve o seu momento emotivo.

Sinceramente, eu acho que ela merece o sossego que ela procura. Nos últimos anos ela passou por duas situações traumáticas. A primeira foi no 'dia da Rainha'  (dia de festa e dia que ela visita duas cidades sempre dando atenção ao povo) em 2009 quando um maluco fez um atentado a família real, acabou errando e acertou várias pessoas do público causando a morte de 8 delas.
E o outro caso mais recente foi no ano passado quando o filho dela do meio foi soterrado por uma lavina de neve quando esquiava na Austria, passou mais de 25 min. sem oxigênio e está em coma desde então com pouquíssimas chances de um dia voltar ao consciente.

Ela reinou por 33 anos. A 6a  Rainha da Holanda. Minha opinião é que ela foi uma boa rainha. Em tragédias ou momentos de alegria, ela esteve perto do povo. Ofereceu carinho e consolo na catástrofe de Enschede, parabenizou e celebrou as vitórias Olímpicas da Holanda. Fez seu mandato com honra e integridade, até mesmo quando sua vida familiar passava por grandes perdas (morte do marido em 2002 e os acontecimentos citados acima). Agora será a vez do filho. Acho que será uma mudança interessante. Mesmo que, o centro da atenção do seu mandato será a nova "Rainha" - a Argentina Máxima - adorada pelo povo pelo seu carisma e calor humano.

Mas, por hoje, mesmo nunca ter sentido um vínculo forte com a monarquia, eu digo que eu gostava dela e que eu aprendi a entender o seu valor para o povo Holandês com o passar dos anos.  Por isso, esse pequeno gesto de homenagem.

Rainha Beatrix.

E ao filho dela, boa sorte e bom mandato!





sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Rapidinhas...

Puff!... quarta-feira foi o dia do prazo da entrega da primeira fase do Projeto. O que eu tinha pra entregar foi tudo aprovado, mas tenho uma área que ainda está em discussão e foi 'escalada' para os grandes mandas-chuvas no EUA. Semana que vem eu tenho que arranjar a solução para ela.
Só pressão...
 Mas parte do dia de ontem e hoje eu tirei de folga. Preciso recarregar as minhas forças...

Além disso, hoje é um dia especial. Hoje foi o primeiro dia de escola para o filhote. Ele estava tão entusiasmado pra ir, tão empolgado que não queria nem esperar por mim e nem para o pai para levá-lo à sala dele. Foi praticamente correndo.


Eis o começo da mais nova fase. E a vida de clichê continua. "Como passa rápido"...










De quebra, filhota também está se desenvolvendo bem. Dormir de noite ainda continua sendo um problema. Assim como o filhote na mesma idade, ela é super-ativa quando dorme e vive se batendo no berço e acordando. A solução foi ir à procura de uma cama nova.  E o resultado foi: filhote ganhou a cama do sonhos dele (com uma tenda embaixo e colchão no caso de visitas)






Novo quarto do filhote: Tema "Beach"...







E filhota ficou com a cama do filhote até daqui há 2 anos e meio ela ganhar a cama de princesa...



quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Desabafo

Okei, esse é mais um post sobre o trabalho.

Eu sei que eu venho aqui só para contar as barbaridades e personagens do meu trabalho. Isso acaba gerando a percepção que o meu trabalho é um ˆ*#$ e todo mundo do trabalho é gente bizarra (ok, 75% são!...)

Verdade é, eu adoro o meu trabalho. Adoro a minha função. A parte gerencial em higher mananagement é nova pra mim. Sei que estou aprendendo muito e (por sorte?) acertando também.

Mas, tem dias como hoje, que eu estou tirando do fundo do baú a minha capacidade de relativizar as coisas. Meu dia hoje não foi bom. 'Comi bola' como diz uma amiga minha. Deveria ter gerenciado o resultado de um workshop melhor e eu não fiz. E agora eu estou aqui. Dando tapas na minha cabeça e com aquele sentimento de fracasso.

Estou tentando colocar agora na cabeça todas as coisas certas e boas que eu fiz na balança para analisar se todo esse meu sentimento vale à pena, além do fato, de que eu ainda estou aprendendo.

Isso tudo, obviamente, não muda o caso que eu ainda tenho que achar uma solução pro problema do qual eu não consegui gerenciar durante a reunião. Mas, pelo menos, o outro lado da minha consciência que tanto me castiga, me diz que eu não devo ser tão severa comigo mesmo e me castigar por ser 'gente' no final das contas.

Enfim, não sei se esse post faz sentido algum pra vocês, mas eu precisava desafar...



sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Pensamentos & desvaneios

Dos filhos...

Uma nova fase e rotina está pra chegar. Mês que vem meu filhote vai fazer 4 anos e vai começar na escola. Dizem que assim que os filhos entram para escola, aí que parece que o tempo passa mais rápido ainda. O desenvolvimento e a independência vão tão rápidos que a sensação é que eles rapidamente deixarão de ser crianças...
Eu sei que será uma fase interessante, de muitas descobertas, mas ao mesmo tempo vem a consciência que estamos dando 'adeus' a primeira fase da vida dele.  E como não sentir uma certa nostalgia por causa disso?...

E a filhota está cada vez mais mostrando detalhes de sua personalidade com o seu 1 ano e meio. Já tenta copiar o irmão nas presepeiras dele e depois acha graça. Os dois não sabem ficar um sem o outro. Seja para aprontar uma ou para brigar pelo mesmo brinquedo. Essa última parte é uma das coisas da qual eu não sentirei falta quando ela passar... O ditado Holandês  'samen spelen, samen delen' (o que seria mais ou menos: brincar junto, significa também com os mesmo brinquedos) só funciona quando eles tem vontade, senão pode repetir 500 vezes e não faz efeito nenhum!


Mudando de filho pro tempo... Assunto importantíssimo na Holanda!

Eu digo que não vejo a hora do inverno passar! Dos dias serem mais longos (em termos de claridade) e que as crianças possam brincar no quintal... O pior é que parece que o inverno vai começar de verdade na semana que vem. Neve, gelo, temperaturas negativas. Mais dias cinzentos e friorentos! Ai seu pudesse fugir para o calorzinho do México agora...!




segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Ano Novo e sinal de fumaça...

Oi!... Se lembram de mim? Pois é, eu ainda estou viva. Meio múmia, meio farrapo, meio sem-cabeça, mas ainda viva!

Será que já passou o prazo para desejar os melhores votos para 2013? Será que ainda pode? Se pode,  lá vai:

- Felicidades, saúde e tudo de bom e do melhor para 2013. E que por algum milagre que ainda possa acontecer, o governo Holandês surpreenda o povo com novas leis que estimule pessoas a trabalharem mais, em vez do que anda acontecendo agora: estimulando pessoas a trabalharem menos para não perder os benefícios de retornos financeiros do sistema de imposto.

Ok, ok, comecei o primeiro post do ano reclamando e falando em política. É pra sair da rotina. Falar em dieta e academia em todo início de ano é coisa do ano velho. E sim, eu também tenho que voltar a minha, mas isso não é novidade!

Novidade é que, por vários motivos válidos ou não, eu nem fiz a minha reflexão de fim de ano. Do que aconteceu de importante, marcante ou não na minha vida. Falar a verdade, 2012 acabou sendo melhor do que as minhas expectativas. O fato mais marcante mesmo foi a mudança de emprego. Sair da PH,  que eu sempre pensei (sonhava) ser a empresa que eu passaria a minha carreira toda até a aposentadoria, foi uma mudança inesperada.  Tive muitas dificuldades no início de acordar desse sonho e aceitar a realidade.

Hoje em dia, eu sei que foi necessário e mesmo trabalhando feito uma louca e combinando com a vida familiar com duas crianças pequenas, eu estou feliz que fiz a tal mudança. Agora eu estou consciente que precisava da mudança para aprender também mais de mim mesma. Essa análise vai ficar para um próximo post, mas eu digo, no final das contas, eu estou uma pessoa melhor como num todo.

E sim, meu novo emprego tem vários desafios. Vários!!!! Mas, eu estou conseguindo passo à passo gerenciar o que tem que ser gerenciado em todos os sentidos. Ainda tenho muito que aprender, mas acredito que estou no caminho certo. Ou assim espero!

É obvio que, no resto do tempo, minha energia e foco é direcionada aos meus lindosdivinosemaravilhosos filhos, marido-companheiro perfeito e família. Eu tenho precisado de muita ginga para manter tudo em equilíbro. No final das contas, acabou faltanto tempo para azamigas. Mas, a gente faz o que pode e vai levando como pode.

Meus planos para 2013 é continuar evoluíndo como pessoa. Acho que tenho bastantes desafios nessa área para garantir que alcançarei essa meta. O que vier de resto, é custo benefício!... Isso, se o governo Holandês deixar. É óbvio!

E assim caminha a humanidade. Ou, eu, pelo menos...


segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Acendendo a chaminé...

Para dar um sinal de fumaça....

Já é véspera de Natal. A impressão que eu tenho é que a cada ano tudo passa mais rápido.

Ando trabalhando muito nos últimos tempos. E quando eu tenho folga, eu tenho que ter energia pra os filhos, marido, mãe, irmãs e amigas. E sinceramente, não sobra tempo pra tudo isso.

Eu vivo em uma constante batalha com prioridades e tempo. Nesse tipo de batalha, alguém sempre sai perdendo.

E hoje eu estou aqui, dando um sinal de vida. Estou de pé desde das 6:30hrs. Marido foi trabalhar e levou as crianças para a creche. Assim eu tenho tempo para começar o meu dia com mais calma tomando um cafézinho atrás do meu querido Mac, matando saudades deste blog que sempre gostei para depois sair nas correrias para as últimas compras da ceia do Natal.

Tenho muito que 'falar' aqui, mas quando não falta o tempo, falta inspiração devido ao cansaço.
Por hoje, eu quero ter energia para a festa Natalina e curtir os meus filhos e a felicidade deles.

E o mesmo eu desejo aos corajosos e fieis que ainda vem dar um pulinho aqui.

Um Feliz NATAL e boas festas!

Até o próximo post!