sexta-feira, 24 de julho de 2009

Meninos e Meninas

Anos atrás, quando eu ainda trabalhava em limpeza num hotel, um colega disse o seguinte:
... Menina dá mais trabalho que menino. Homem pode sair pra gandáia e a gente não se preocupa, agora com mulher... é uma preocupação atrás da outra! A gente nunca sabe se ela não vai ser estuprada, violentada ou ficar prenha do namoradinho...

Eu tinha 22 anos, um relacionamento com um cara abusivo na bagagem, trabalhando feito louca pra pagar meus estudos e me esforçando ao máximo para me adaptar a Holanda e por pouco, muito pouco, eu me segurei naquela hora...

Essa semana a minha sogra veio me fazer uma visita. Eis que a minha sogra solta o mesmo tipo de comentário, que menino é mais fácil que menina. Que hoje em dia as “meninas” são mais difíceis e se metem em confusões, engravidam...
Dessa vez eu não me segurei.

Eu: é, mas menina não engravida de menina. Só engravida, só é estuprada, violentada por 'meninos’ soltos por aí, que não tiveram a devida educação e por isso não estão nem aí para as consequências de seus atos, se bebem, se fumam maconha, sem vão pra cama sem proteção... Se a ‘diferença’ entre meninos e meninas não fosse ainda algo tão machista, te garanto que a menina não levaria a culpa!

Não sei se assustei a minha sogra, ou então, se ela parou pra pensar um pouco, mas, no final das contas, ela disse que os dois causam motivos de preocupação...

Sinceramente, eu não sei de onde vem essa idéia de Holandês achar que menina dá mais trabalho para educar do que menino. Ainda disse para a minha sogra que os índices de meninos envolvidos em abuso alcóolico e drogas é muito maior do que o das meninas e isso só, já basta para quebrar o ‘estigma das meninas’.

Mas, parece que no tópico drogas, na educação Holandesa isso não quer dizer um problema grave, não é mesmo? Acho que é por causa da mania de Holandês de achar que ‘joint’ não faz mal nenhum. Sério, até a minha sogra disse que se ficar entre um ‘joint’ ou outro e não evoluir para outras drogas, que está tudo bem!

De fato, eu não sei se foi a minha educação rígida e ‘militar’ ou se é por que eu sou uma pessoa muito chata quando o assunto é ‘o certo e o errado’. [ Tem gente que me acha ‘certinha’ demais!...]. Mas, será que é só eu que acha errado esses ‘jointizinhos’ Holandeses? Será que eles acham que não vicia? Que não é droga? Que não faz mal para saúde?

Sinceramente, eu não entendo!...

5 comentários:

Marcia-Rotterdam disse...

Engraçado é que eu ouvia isso no Brasil também! E acho machista demais. Tanto menino como menina dão preocupações.
Quanto aos cigarrinhos do capeta, gosto da atitude deles com isso, melhor do que repressão total, que faz a pessoa ficar mais curiosa ainda e enlouquecer com esse tipo de coisa, como já vi acontecer com brasileiros. Não, eu não gosto, nunca fumei( nem cigarro comum eu já provei) mas é algo que está aí, e pode ser que seu filho um dia queira provar, pode ser que não, espero que não, mas isso é algo difícil de controlar 100 por cento, você deve orientar, claro, mas no fim é ele que vai decidir. E muita gente pro aqui para mesmo só no joint, a Holanda tem um dos menores índices de viciados em droga pesada da Europa. Sei lá, é minha opinião...

Adriana disse...

Isso é no geral Katia. sério. Nós somos as víboras que seduzem. Lembra? Tá na Bíblia. Homem na sabedoria popular é só o sustentador, o responsável etc e tal. Porém, ainda me descabelo quando hj em dia ainda ouço isso. Graças a Deus nem tanto mais!

O Culto disse...

Olá, sou Brasileira e estou indo para Holanda, sempre que der passarei para ler seus post!!

Eliana disse...

Se pensarmos muito bem, mas bem mesmo...os meninos são educados pelas mães, mulheres! Se certas mulheres não fosse tão machistas...teríamos uma sociedade muito melhor e as "diferenças" como estas entre meninos e meninas não existiriam. Se todos os filhos forem educados para respeitarem, independentes de serem homens ou mulheres, teremos gente muito melhor e ninguém mais vai precisar se preocupar qual será mais fácil ter! Absurdo ouvir estes tipos de comentários, ainda pior quando vem de uma mulher!

Bruna disse...

Ao menos que o filho homem nao tenha nenhuma referencia masculina durante o crescimento - isso inclui tios/primos/avôs - o menino vai tratar as mulheres que passarem por sua vida da mesma maneira que seu pai trata a mae. Venho observando isso a muito tempo. É de casa que ele vai aprender a respeitar a mulher e tratá-la como igual e nao como sexo frágil.

Nao acho que fumar um baseado seja o problema, acho que o problema é a famosa falta do que fazer. Poe a criancada pra fazer esporte, pra fazer aulas extra curriculares, e mesmo que eles tenham curisidade de experimentar maconha, o objetivo de se dar bem na vida ainda vai ultrapassar essa curiosidade. Um(a) adolescente que sabe que na vida vc tem que correr atrás do seu próprio sucesso, nao vai querer acordar nas ruas geladas da Holanda, sujo e sem metade dos dentes.