quinta-feira, 14 de abril de 2011

Sobre o parto: opinião e dicas...

Ontem foi dia de controle da obstetrice.

Filhota que estava em 'stuitligging' (cabeça pra cima) virou e está em posição para parto normal.

Falando sério? Eu preferia que ela não tivesse virado, por que daí eu iria partir direto para uma cesarea.

[Detalhe para as grávidas na Holanda: Se o seu bebê estiver em posição contrária (stuitligging) mesmo que, a parteira ou ginecologista indiquem a tentar virá-la manualmente (na semana 37 ou 38), você pode recusar essa opção e optar pela cesarea. Você não é obrigada a se subter a esse tratamento. Ainda mais, por que isso não dá garantia nenhuma de que o bebê não voltará a virar de novo].

Como o meu primeiro parto foi cesarea não planejada e sob narcose geral (relato do parto, clique aqui), o meu 2o tem que ser feito no hospital e com acompanhamento do ginecologista devido ao risco de ruptura da cicatriz do parto anterior.

Até a semana 36 dessa gravidez o meu acompanhamento tem sido com as 'verloskundige' (parteiras 'de casa'). Aonde eu vou, são 3 que trabalham e se revezão. Não tenho problema com nenhuma delas. Na verdade, elas sempre foram muito simpáticas e seguiram todos os meus pedidos - incl. de ir para o hospital o mais rápido possível, como eu indiquei no meu plano de parto [Geboorteplan]da primeira gravidez. Agora em maio eu passarei a ter os meus controles com o ginecologista.

Ontem, numa conversa séria com a obstetrice que iniciou o parto do filhote, eu perguntei qual era a probabilidade de eu ter uma cesarea de novo. Os riscos e as experiências...

Na Holanda, dependendo muito também da razão por que o primeiro parto foi cesárea, o seguinte parto não quer dizer por definição cesarea. Na verdade, eles ainda partem do principio 'parto normal, a não ser que..'.

A minha obstetriz falou que ela indicaria o parto se iniciar naturalmente. Mas que, se caso a natureza indicasse problemas, que ela não me aconselhava a fazer o 'inleiding' (induzir o parto) e também, se caso a dilatação não correr naturalmente a não usar 'weeënopwekkers' (medicamento para estimular as contrações). Por que isso aumenta a força das contrações e estimula a pressão da cicatriz da cesarea anterior aumentando consideravelmente o risco de ruptura. Coisa que, se for por meios naturais, o risco é raro.

Achei que ela foi honesta e sincera. Pesquisei na net e o que ela falou condiz com as informações que eu achei.

Outra coisa que ela disse é que, a melhor maneira de saber se a cicatriz 'está rompendo' [ou querendo romper] é se você não tiver anestesia (peridural), por que a dor é diferente da contração de parto e eles conseguem identificar.

Com a anestesia, você não sente mais e aí pode ser tarde demais (deu até medo depois que ela falou isso!). No entanto, eu já descobrí na internet que os hospitais também tem um método ou medidor de pressão na região da cicatriz para saber os riscos de romper. E eu vou pedir/indicar que quero isso no meu 'plano de parto'.

[Acho triste que aqui na Holanda a mentalidade é de esperar que dê errado (entenda-se: rompa a cicatriz) pra fazer algo em vez de prevenir!]

O bom que todas essas informações vão me ajudar a me preparar psicologicamente para o parto, mas também vai me ajudar a elaborar o meu novo 'plano de parto' ou 'Geboorteplan' [dica do plano de parto - leia aqui].

Eu vou sim tentar deixar o parto se iniciar naturalmente, por que daí é o bebê que indica quando está pronto pra nascer. mas, se a dilatação estagnar de novo ou se o início do parto se atrazar, eu não aceitarei incentivos médicos. Pedirei cesarea. E pronto.

5 comentários:

Cris disse...

Quando comecei a ler o post achei estranho o fato do segundo parto não ser automáticamente cesária de novo, a não ser que vc quisesse particularmente tentar o natural dessa vez... mas entendi direitinho ao terminar o post e também achei muito boa a sua posição sobre esperar que o parto se inicie naturalmente por ser sinal de que ela estará pronta para nascer então... e com certeza, partir para a cesária sem aceitar incentivos para forçar o parto natural caso algo não esteja fluindo normalmente/rapidamente.
Na minha opinião, como eu já disse algumas outras vezes, o modo do parto não torna ninguém mais ou menos mãe. Cesária e parto natural são simplesmente os meios de trazer o bebê ao mundo e o mais importante é que o bebê e a mãe corram o mínimo de riscos possíveis e que tudo ocorra bem :)

Alice disse...

Se a pessoa com quem vc consultou-se hoje era médica, a palavra certa em português é OBSTETRA. Obstetriz é a nomeclatura em português usada para enfermeira obstétrica (verloskundige em holandês).
Acho suas colocações muito ponderadas. Minha intuição e meu coração indicam (e desejam!!) que tudo vai dar certo. Um beijo.

Holandesa disse...

Alice,

A conversa e consulta foi a minha 'verloskundige' mesmo. Obstetra & ginecologista só quando a partir da semana 36....

Rose e Lisa disse...

Oi,

adorei esse seu post, estou na 19 semana, e como tive 2 abortos seguidos no final do ano passado (um deles foi na trompa e perdi uma das trompas), pude escolher entre passar com a parteira ou a obstetra, e estou passando direto no hospital com a obstetra, tive uma consulta até agora com a parteira, mas também foi no hospital, a Lisa nasceu de cesarea no Brasil, tentei induzir, mas dormi no meio da indução, não sentia as contrações e me deu muito sono, só pensava em dormir, não senti nenhuma dor e nem contração, já estava sem liquido ai o médico decidiu pela cesarea.

Estou bastante interessada no seu plano de parto novo (olha a cara de pau aqui), você irá divulga-lo? quem sabe posso copiar algumas partes, já estou falando com a obstetra sobre o parto, mas ainda tenho um pouco de receio aqui, acho que um plano de parto me deixaria um pouco mais calma na hora.

bjs

Rose, Lisa e bebê.

Holandesa disse...

Oi Rose,

Farei um post com a estrutura e uns detalhes do meu plano, mas eu mando a versão completa dele pra vc por e-mail.
É em Holandês. Mas, eu dou uma traduzida nele e/ou te ajudo a escrever o teu, se vc precisar de ajuda! ;)
bjs,