quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Entre tapas e beijos...

Lendo os comentários do post anterior (sobre livros e educação) acho interessante que hoje em dia tenha livros dizendo que castigar criança não é bom.

Eu e boa parte das pessoas da minha geração (com as suas exceções) fomos criados entre um castigo e outro. Além de uma surra, tapa na mão, na bunda e sabe mais lá o que.

Meu pai sempre foi super-severo. Ele mesmo veio de uma família onde o pai dele (meu avô) deu uma surra no meu tio mais velho na véspera do casamento deste. Ou seja, em fase adulta lá pelos seus 30 anos. Por aí vocês tiram como foi a educação dele.

Eu mesma levei as minhas 'correções físicas'. Ainda bem que eu não fui uma criança muito peralta e não aprontei demais, por isso também não foram tantas, mas na minha casa até nota vermelha na escola podia terminar em surra.

Como eu já disse antes, a convivência com o meu pai, ou melhor, nosso relacionamento não foi dos melhores. Por isso, o meu maior medo é me tornar uma nova versão do meu pai e repetir os erros dele. [Medo que eu, minhas irmãs e meu irmão ainda temos com relação aos nossos filhos].

Me surpreende, no entanto, como eu e os meus conterrâneos do mesmo tipo de educação não viramos nenhum bicho de 7 cabeças ou algo pior.

Sinceramente, como foi que a minha geração sobreviveu, heim?
Alguém explica?

3 comentários:

Eliana disse...

Pois é...era exatamente a mesma coisa que eu estava pensando: a gente vem de uma educação de umas boas palmadas - vamos ameninzar rs. No entanto já se dá o primeiro passo quando vc sabe o que não quer ser e tem a consciência de que não quer repetir o comportamento de seu pai. No entanto, o que eu vejo hoje, de conhecidos, programas na TV, familia até...são pessoas totalmente perdidas com relação às próprias crias. O que mais aparece de gente que não sabe o que fazer, me impressiona. Não vou muito longe: uma conhecida estava totalmente sem saber como alimentar o filho que está perto de completar 1 ano! Quem dirá com relação ao comportamento desta criança. Será que ela vai saber ver quando o filho se transformar num tirano e achar tudo bonitinho? Acho que tem muita gente totalmente despreparada para a grande missão de ser pai e mãe. Aí, cada vez mais, se vê casos de crianças depressivas, obesas, levando armas pra escola e crescendo sem nenhum tipo de limite e noção de respeito. Só pra acrecentar: o filho de uma outra conhecida de apenas 3 anos, vem com discuros do tipo: Ik wil...jij moet... Claro, ele repete o que ele ouve, mas já acha que pode dar ordem a criaturinha! Boa sorte com a sua missão, que com certeza é a mais importante da sua vida!

Adriana disse...

Eu não tenho filhos, por isso, só posso falar sobre como fui criada. Lá em casa não havia grandes surras, mas sempre tinha um bom chinelo havaianas à mão para um tapa bem dado no meu bumbum em caso de algo mesmo mais forte. E não morri por causa disso, nem fiquei traumatizada.
Já com a minha sobrinha, o maior castigo que podiam lhe dar era pôr uma cadeirinha de plástico no canto da sala (virada mesmo para as pessoas, não era de rosto para a parede), e dizer que não podia sair de lá. E não saía mesmo. Era vê-la com os bracinhos estendidos, a pedir que eu fosse buscá-la, mas sentadinha na cadeira. E a minha cunhada só a deixava sair quando pedisse desculpas sentidas pelo mau comportamento. É hoje uma bela moça de 25 anos que está a fazer pós-graduação.
Trabalho numa escola com 'aborrecentes' a partir dos 25 anos. Arrepio-me com o que vejo. Chega ao cúmulo de uma mãe ir à escola pedir que a filha não tivesse aulas na quarta-feira à tarde porque, desde que o curso tinha iniciado, nunca mais tinha visto a melhor amiga. Acha isso correcto?
Beijos

Rose e Lisa disse...

Eu vejo por mim, não bato na Lisa e não pretendo bater na Sarah, tenho muito medo de bater nelas como meus pais batiam nos meus irmãos (estranhamente nunca apanhei), as vezes nem era para tanto, mas eles chegavam nervosos por algum motivo e descontavam nos filhos, isso é meu medo hoje em dia, a educação está muito terceirizada, eu acredito que aqui nem tanto, mas no Brasil, muitos pais esperam que a escola/babá eduque seus filhos, é dando exemplos e ensinando (mesmo que repetidamente) que as crianças aprendem, ninguém aprende apanhando, para mim quem bate ensina a bater infelizmente, vejo muita gente falar que bate em casa para o filho não apanhar na rua, será que não dá para ensinar sem bater? conversando? é cansativo, difícil, mas acredito que é possível.

Uma vez vi um comentário em uma comunidade e fiquei pensando no assunto, se uma criança faz uma coisa "errada" ela apanha, se um dia vc fizer uma coisa errada (ou deixar de fazer alguma coisa) seu marido pode te bater para ensinar o certo?

Sei que é cedo por enquanto, mas a Lisa nunca fez birra, nunca desobedeceu é educada, mesmo tendo apenas 3 anos e nunca apanhou...

espero estar no caminho certo, mas é tão complicado, sei que tudo que meus pais fizeram foram tentando me educar mesmo não concordando com 50% das coisas, e sei que mais tarde a Lisa e a Sarah não vão concordar com tudo que faço... mas fazer o que né, sei que estou fazendo o melhor no meu ponto de vista.

bjs e boa sorte