segunda-feira, 4 de maio de 2009

6a carta

Na creche...
D.: Chegou a hora da despedida...
Eu, já me segurando: por favor, não diga assim. Eu detesto essa palavra...
D.: Desculpa, não foi a minha intenção!...
...

Filho,

Hoje foi o seu primeiro dia na creche. Foram as 4 horas mais vazias das nossas vidas.

Seu pai resolveu trabalhar de casa para que fossemos juntos levar você. Eu, de fato, já tinha me prometido não voltar para a casa depois de te deixar. Só de pensar em voltar para a casa vazia, sem a tua presença, teu cheiro, teus gritinhos, sorriso, choro, já me cortava o coração... Eu vivia repetindo um mantra: Faz sem pensar que não dói!....

Depois de te deixar, nem eu, nem seu pai nos atrevíamos voltar para casa. Fomos olhar pedras para o jardim. É..., pedras para o jardim! Depois demos um pulo no centro da nossa tribo. Seu pai tinha que voltar a trabalhar, vontade ele não tinha, mas tínhamos que voltar para casa. E eu não me atrevia também deixar o seu pai sozinho em casa, no vazio. Não dá para explicar o silêncio que sentímos ao entrar. Eu fui logo me ocupar, preparar o jantar, varrer a cozinha, e procurar não pensar... Seu pai foi logo dizendo: "Ik vind dit niks!" (Eu não tô gostando disso!). Ele olhava para o seu chiqueirrinho e sentia o vazio. Ele não resistiu e ligou o seu "mobiel" com música e eu o reprimí. Disse que isso só piorava o 'vazio' mais ainda...

O jantar ficou pronto de tarde. Para matar o tempo ou para ter mais tempo com você depois, nós 'jantamos' por volta das 15:30hrs. Nós contávamos as 'horas', eu lía um livro, o seu pai tentava se concentrar no trabalho sem muito sucesso. Nós estávamos aos frangalhos, abandonados. Seu pai muito mais do que eu esperava...

Às 16:40hrs nós olhamos um para o outro sem aguentar mais e fomos te buscar. Agora com você aqui nos nossos braços, o vazio se preencheu novamente!

É, como disse o seu pai: Imaginar uma vida sem você é até possível, mas querer, a gente não quer...


6 comentários:

Alice disse...

Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanece estável.

Gibran Kahlil Gibran

Jaboticaba Preta disse...

Olá Holandesa, encontrei no teu blog o plano para o parto e indiquei para uma colega de trabalho. Ela amou! Obrigada pela dica!

Seu filho é muito lindo, imagino a dor para deixar na creche essa jóia preciosa. Força aí na adaptação.

Beijocas

Paula disse...

que carinha mais gostosa essa minha gente!

Bruna disse...

Ah... já sei pq vcs nao querem deixar ele na creche: é pq vcs passam o dia todo dando beijo nessa bochecha gostosa!!

Cris disse...

Os primeiros dias de creche são os mais difíceis para os pais... eu e o Martin ficávamos angustiados também... mas depois a gente vai se acostumando com a situação. No meu caso foi meio chatinho até ele começar a engatinhar... só depois disso as leidsters começaram a reportar que ele passa dias ótimos, antes era volta e meia me dizendo que ele estava meio choroso (claro! o menino não podia sair do lugar nem brincar nem fazer nada com as outras crianças além de olhar).
E comigo pelo menos, por mais que elas sejam cuidadosas, eu nunca estou totalmente satisfeita com a organização... Nunca será como em casa né?! Eu fico na dúvida se as mamadeiras e chupetas são sempre lavadas direitinho, se eles não misturam os bicos... essas coisinhas... :S

Adriana disse...

eu levei pra creche..e depois fui ao supermercado. meia-hora se passou ..peguei um livro sentei num banco no centrinho do bairro..e esperei as 4 longas horas passarem. Faltando meia-hora pra ir buscar...deu uma angústia. Quando o peguei parecia que se tinham passado anos. Hj em dia ele não vai mais pra creche mas, para uma babá. Fico contando as horas no trabalho pra dar uma abraço nele. O Aad ainda não trabalha todas as sextas-feiras (o que é ótimo) vez ou outra ele vai, ama ficar o dia inteiro cuidando do filho (isso não inclui trabalhos domésticos)