quinta-feira, 19 de junho de 2008

Chegou ao fim...

Sabes quando uma amizade termina?

Ela termina assim, como a nossa terminou hoje.
Por interesse pessoal ou por que o caminho não tem direção dupla. Só tem uma. É a ida ... sem a volta.
Você só quiz minha amizade para seu usufruto, por interesse. Como nunca realmente precisei de você, nem hoje, eu não tinha notado isso.

Mas hoje, por motivos óbvios, você finalmente foi sincero comigo. Não, você não mentiu pra mim, mas omitiu todas as verdades que eu precisava saber em todos esses anos de “amizade” e pelas quais eu sempre te perguntei. Te escondias numa máscara de “pessoa reservada”. No fundo, não passava de uma máscara para esconder teus verdadeiros interesses que só revelastes agora.
Levou tempo, mas, finalmente, entendestes que eu não vou te dar o que você queria de mim...

Também levou tempo para eu chegar onde cheguei. Perdoei teus erros no passado. Sou uma pessoa que perdoa fácil. Mas, na 3a vez, de balde cheio, fica impossível. No seu caso, nem sei quantas vêzes te perdoei. Também tanto faz. Verdade é que, voltarei a te perdoar, mas não adianta, por que agora a nossa amizade não tem mais volta. Só ida...

Nunca pensei que você escondia um caráter tão fino como uma folha de papel; supérfluo, superficial e sem conteúdo. Fácil de ser rasgado. Que decepção...

Quando eu te disse hoje na nossa conversa que a nossa amizade tinha chego ao fim, você me perguntou “Como assim?”. E continuastes te desmascarando e contando tuas lamúrias sem parar. Bem que dissestes que a nossa amizade era desequilibrada, já que até quando eu te disse que era o fim, você não quiz me ouvir.

Me lembro quando quisestes desafiar minhas escolhas e decisões. Perguntastes como eu sabia que tinha feito a escolha correta. Te disse que eu tenho um anjo protetor dus-bons. Foi ele que me ajudou e me lembro do momento como se fosse ontem. Foi mais um daqueles momentos de plena lucidez onde tudo faz sentido e cada peça do quebra-cabeça encaixa no lugar certo. Você riu de mim. Como pode uma pessoa que se diz religiosa não acreditar na ajuda dos anjos?...

E agora, acreditas?

Sabes o que eu mais estranhei? Depois de tomar a decisão de encerrar a nossa amizade eu sentí um alívio que eu nunca tinha esperado. Sentí o pêso sair dos meus ombros e um fluir de energia positiva. Acho que mandei o negativo de volta pra você para aumentar ainda mais as suas lamúrias...

De quebra, ainda me lembrastes de uma música da Dido chamada “See You When You’re 40”.
...
Então, te vejo quando estiveres com 40, perdido e completamente só.
Sendo consolado por estranhos que você nunca precisará conhecer
Não por que vc está triste que me perdeu
Mas triste por que você pensou que era legal ficar triste

Você pensa que a tristeza fará você sobresair entre a multidão,
Bem, se você tivesse passado por mim hoje, eu não teria te notado
Eu não teria te notado.
Agora eu ví essa noite como eu perdí o meu tempo
Vou seguindo adiante e não voltarei mais...


É isso.
Posso demorar a pôr um fim, mas quando ponho, não falho. Não adianta me mandar mensagens logo após eu dizer que acabou.

Foram-se minhas últimas palavras gastas com você.
Abre agora espaço, por que eu fui e não volto mais...

3 comentários:

Cris disse...

Que post mais estranho e triste... encerrar uma amizade eh sempre muito triste e frustrante... mas se deu alivio eh porque realmente nao era mesmo uma boa amizade...
Beijos

Marcita disse...

Ainda estou bege com esse babado!
Beijomeligatoansiosa!!!!!!!

eliecy disse...

Uma amiga disse-me uma vez:" que há pessoas que são como vampiros espirituais", sugam e sugam e nós não percebemos, ou se percebemos deixamos acreditando que vale a pena. Mas tudo tem um limite, até o momento do basta. Também sou assim, perdôo fácil, não guardo mágoas, meu coração não consegue ficar pesado por muito tempo. Defeito ou qualidade?? Não sei.

Sds.